poemas poemas

Desabamento

Como um réptil líquido
a chuva desliza rumo à casa
e a alma de alguém estremece.

Ora, serpente acuada em fúria,
ora, tenebrosa corrente
traz ainda a ventania
que afunda pequenos sonhos.

Sem pernas para correr a casa vai
em seu desmanchadiço,
e a chuva agora anaconda,
engole móveis, esperanças,
e eleva os olhos de alguém
para um céu que não se explica.

  

Seção de Poemas, ©2008 Rosa Clement