poemas poemas

Arte Final

Não sei quem está
por trás desse meu palco
tão cheio de sombras.
Talvez você, minha luzente platéia.
Bem que eu quis ser bailarina
para aprender os passos largos.
Tentei cantar mais alto
para seguir o som do rio.
Tudo durou apenas uma melodia.
Então me pintei no espelho,
vesti roupas de época,
para fingir lágrima e dor.
O que vi foram faíscas de sonhos
que o vento soprou.
Encontrei com Drummond
numa escura biblioteca.
Passei a rabiscar guardanapos
que não foram guardados.
Então deixei minhas mãos atadas
e livres para fazer no papel
marionetes das palavras.



  

Seção de Poemas, © (2008) Rosa Clement